IMG_2672_2768

A vida por aqui anda empoeirada de reforma, literalmente. Nossa casa está sendo finalizada e ainda não podemos nos instalar nela, o que nos causa uma ansiedade sem fim. Então dormimos na casa de uma amiga que mora em SP e passamos o dia ajeitando as coisas por lá. O tempo já começa a nos desafiar e nos jogar na cara que quem manda aqui é ele, só nos resta entender e aprender essa outra forma de sentí-lo: a casa pronta, o trabalho, o plantio, o retorno da terra, nada acontece do dia para noite, tudo tem seu próprio ponteiro. E você (nós!), que veio da cidade e acostumado com tudo pronto, abaixe sua bola e respeite o relógio da nova vida.

Entendido o recado, vamos nos dividindo pela casa e descobrindo os quatro hectares de terra que são nosso sustento. Enquanto Tomé brinca no monte de areia, eu procuro madeira para fazer os cabideiros da casa e Hugo desenha o sistema de irrigação das terras. Eu colho frutas para fazer suco no almoço, Hugo pega na enxada e Tomé segue toda e qualquer trilha que encontra mato afora. Hugo lida com os pedreiros, eu tomo café quentinho na casa de Dona Zi e Tomé rega as mudas que plantou no jardim com o pai. E assim a gente vai se encontrando nessa casa, fazendo planos pra terra, “assuntando” a vida com os mais velhos, nos acostumando à nova rotina, que de rotina nada tem.

IMG_2673_2769

Ainda tudo no começo, ainda tudo girino. Ainda tudo novidade, mas sempre carregado de certeza da nossa escolha, parece que sempre pertencemos a essa vida. As mudanças vêm vindo com calma e respeitando nosso tempo de adaptação, esse processo tem sido uma delícia para nós quatro. Por falar nisso, muita gente tem me feito perguntas práticas sobre algumas coisinhas dessa mudança, respondo algumas delas aqui e agradeço um monte pelas mensagens lindas que temos recebido!

–       Aí tem internet? Sim, o Pedro, moço dos Correios, veio aqui, subiu nas montanhas do nosso terreno, fez uma gambiarra de primeira e instalou uma internet bem boazinha pra gente. Mas não pega telefone celular e um número fixo custa uma antena de 600 “realidades” (o que não teremos, por enquanto, e não sentimos falta alguma);

–       Vocês continuam comprando coisas no supermercado? Sim, ainda não atingimos nossa meta de auto-suficiência, mesmo porque não tivemos tempo suficiente para colher o que plantamos. Mas, mesmo assim, é só o básico (produtos de limpeza, higiene, etc). Temos quase 15 tipos de fruta no nosso quintal, as verduras e legumes vêm da horta da Dona Zi, arroz, feijão, mel, leite e outras coisinhas vêm da feirinha de produtores locais. As coisas aqui tem gosto de verdade, comer voltou a ser um prazer e não só uma refeição. Isso também quer dizer que produzimos um lixo quase 70% orgânico, o que já é um afago na nossa relação com a natureza;

IMG_2671_2767

 

IMG_2679_2775

 

IMG_2681_2777

IMG_2674_2770

 

IMG_2685_2781

–       Tem médico? Sim, tem o SUS e uns três clínicos gerais que cuidam de todo mundo. Trocamos nossa cara (e problemática) Unimed pelo cartão da família que Maridalton veio aqui em casa pessoalmente fazer. Ele, agente de saúde da cidade, ficou sabendo que uma grávida havia chegado na sua área de atuação e fez questão de vir me explicar tudinho sobre o pré-natal feito pela enfermeira Aline no posto. Não somos mais um número de carteirinha, aqui cada pessoa é realmente uma pessoa;

cartao_familia

–       Tomé vai pra escola? Não, decidimos não voltar com ele para escola agora. Acreditamos que temos tempo e amor suficiente para mantê-lo conosco o dia todo, aprendendo e participando de tudo o que estamos construindo. O convívio social é feito com outras crianças do povoado, todo mundo das fazendas de café tem família grande e a criançada corre solta pela região. Ele, que não é bobo, já deu jeito de se enturmar;

IMG_2716_2692

IMG_2722_2688

–       E o dinheiro vai vir como? A relação com grana mudou, precisamos de muito menos para viver, mas ainda não conseguimos ficar 100% livres dele, claro. A terra vai ser nossa maior fonte de renda, assim como para todo mundo por aqui. Estamos cuidando dela e prestes a entrar de cabeça na permacultura, plantando o que consumimos e fazendo um tutu com o excedente. Aqui tudo o que planta dá e, com muito trabalho, não há de faltar nada pra gente;

photo (65)

–       Você não acha que ta fazendo uma loucura? Sinceramente, isso nunca me passou pela cabeça.  Loucura mesmo seria manter nossa família refém de uma vida que não era nossa. Seria negar nosso desejo de viver melhor, seria continuar acreditando num falso círculo de conforto. Loucura mesmo é deixar o medo calar seu coração e fechar seus ouvidos para aquilo que grita no peito, sabe? A gente tá feliz sim, estamos entendendo um monte de coisas/pessoas/valores/relações que ainda não faziam sentido na cidade. Estamos aprendendo como nunca, toda hora, sem parar, com erros e acertos, rindo e chorando. Estamos nos desafiando, estamos nos aventurando. Estamos tudo e qualquer coisa, menos cometendo uma loucura!

photo (64)

Anúncios

35 comentários em “A casa

  1. é, o tempo anda gritando com todo mundo, por aqui também…
    especialmente com gente vinda da cidade grande
    mas é parte da vida dar tempo ao tempo 🙂
    nem que seja de vez em quando

  2. Que belezura poder acompanhar esta linda história, Manu!
    Legal vocês partilharem com os amigos.
    bjs e sucesso!

  3. uma amiga enviou o link!
    disse que lembrou de mim na hora.
    agora entendi o motivo.

    bebi cada palavra compartilhada com as gotinhas salgadas da minha emoção.
    deve ser saudade. deve ser vontade. deve ser um novo começo…
    bênção para vocês!

    sabe o curioso? nasci em uma cidade pertencente à chapada diamantina, chama-se abaíra.
    deve ser essa a saudade…

    b-joletas violetas

  4. Tenho o Lourenço de 1 ano e 2 meses. E por ele me reciclo e me reinvento como camaleão muda de cor e firmo no que nos é bom. Tento passar todos os valores reais de uma vida mais poética, fantástica e real no que fica, afinal o começo é uma parte importante de uma vida madura. Parabéns por esse passo em suas vidas. Enormes vontades de tomar rumos semelhantes ao vosso não nos faltam. Quem sabe consigamos reunir coragem. Amei e me senti totalmente inserida em suas palavras, definiu a minha vida. “Eu amo a maternidade como se tivesse nascido pra ter 12 filhos, é como se tivesse a chance de reaprender a minha vida toda vez que uma outra pulsa no meu ventre.” Lindo, fotos lindas, vida simples+ com Deus!

    1. Que legal, Glacy!
      Eu também penso como vc e acredito que uma hora vc vai conseguir dar a Lourenço tudo de melhor que deseja.
      Gratidão pelas palavras lindas e cheias de boas vibrações!
      Tudo de mais lindo pra vcs aí também!

  5. Que lindo, gente. To me sentindo muito feliz em poder conhecer seu blog e a história da sua familia. Quero muito poder ter uma vida leve assim, como disse no outro comentário. Só de ler o blog já sinto uma paz e uma sensação boa que não tem explicação! 🙂

    Parabens mais uma vez!

  6. Numa semana como esta, onde permaneço no trabalho mesmo depois das 22h, tornou-se, inicialmente, angustiante ler esses relatos. Depois senti prazer em saber que essas boas mudanças são possíveis. Em seguida, chorei, não sei ao certo se de emoção ou angústia (por minha rotina, claro).

    Engraçado que há alguns dias, decidi, que para me livrar (mesmo que por pouco tempo) de toda correria e tensão que vivo, passar uma semana na Chapada Diamantina em dezembro. Esse período vai servir para eu tentar colocar as ideias no lugar e traçar novos e saudáveis planos para minha vida.

    Continue a nos presentear com as descobertas de vocês quatro. Eu voltarei para beber mais dessa experiência e esquecer um pouco desta cidade grande que vivo. Beijos

    1. Ei, Michele!
      Também vivi numa cidade grande e entendo bem o que vc está falando!
      Venha pra Chapada descansar, vc vai adorar! E, se quiser, venha nos visitar, vai ser um prazer!
      Muito obrigada pelo carinho, boas energias são sempre bem vindas por aqui!

      Beijo e tudo de bom pra vc!

      1. Vou adorar conhecer vocês, além dos posts do blog. Mais próximo da viagem volto a entrar em contato. Até lá, vou acompanhando as descobertas dessa simples e mágica escolha.

        Ah! Parabéns pelo nascimento da Nina!

  7. “Estamos tudo e qualquer coisa, menos cometendo uma loucura”. Parabéns pela coragem, boa sorte no novo caminho. Quem sabe um dia não sejamos vizinhos? 😉

  8. Eu escrevo para dizer que adorei sua página. Um presente poder ler textos tão bons e alguns tão emocionantes. Todas as escolhas são difíceis, mas posso te garantir que as mais difíceis são as que não escolhemos. São as que nos surpreendem. E, pelos seus textos, pude ver que vocês estão lidando bem com estas últimas. Um grande abraço, Danielle

  9. Que delícia de blog! Vi sua história no UOL e fiquei encantada.
    Também moro em uma chácara, mas dentro da cidade, fim de rua… e fico entristecida em ter que deixar o pedacinho de terra – em que se plantando tudo dá – para ir “ganhar” a vida, trabalhando oito horas por dia, deixar a minha filha de três anos na creche, comprar e engolir os industrializados, contas e mais contas… Como vc disse, é como correr atrás do próprio rabo. Todos os dias me questiono até onde vale a pena tanto consumismo e falta de qualidade de vida. Sem tempo para mim, para os meus… e o relógio a correr.
    Tenho plena convicção que estão e serão muito felizes nesse ambiente. Enquanto isso, vamos vivendo aqui nesse caos urbano, aproveitando o mínimo da nossa maravilhosa natureza.
    Parabéns pela iniciativa, apoiadíssimos!
    Abraços!

  10. Aí meu Deus, cheguei no seu blog, e agora, pode não ter volta, vou lendo tudo, que frio na barriga, não entendi ainda o contexto todo, mas já estou gostando, Beijos!!!

  11. Finalmente encontrei alguém que pensa igualmente, sempre me chamam de louca rs que isso não existe mais, largar são paulo e ir morar na roça, plantar, …. Como foi bom encontrar este blog.

  12. Primeira vez que visito e to amando! A gente ve pessoas por ai comentando em ”largar tudo” e recomeçar, mas vê a realidade que vocês estão mostrando é inspirador.. Feliz em ver esses resultados! não pare de nos mostrar nunca!! rss Vou sempre acompanhar! Bjs

  13. Tive o privilégio nas minhas procuras por bons conhecimentos, neste vastos caminhos de informações da tecnologia, chegar as vocês, meu coração bate mais forte, por cada palavrinha, para mim está sendo uma alegria conhecer vocês, desejo saude, força, perseverança e luz pra vocês. bjos

Solte o verbo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s