O orgânico

IMG_4726_2163

Desde que chegamos aqui, plantar nosso próprio alimento esteve no topo da lista de “prioridades”. Não só porque temos espaço de sobra pra isso, não só porque é um “hábito” de quem mora na roça, não só porque queremos diminuir nossa lista do supermercado e nossos custos ao final do mês. Mas porque queremos e precisamos nos alimentar bem, porque entendemos que o que vem do quintal de casa é imensamente mais colorido, gostoso e saudável do que aquilo que se encontra numa prateleira, porque é uma delícia plantar e ver a dupla natureza+tempo transformar aquela semente minúscula numa cenoura cheia de vida, porque a saúde dos nossos filhos merece o respeito e o cuidado de uma alimentação rica e completa, porque a gente cansou de ser “cúmplice” das empresas que dominam o mundo de forma tão suja e desleal (porque é isso que fazemos quando compramos algumas marcas).

Mas plantar de acordo com a agricultura tradicional não condiz com nossa vida verde aqui na Chapada. Se viemos, queremos, nos propusemos e somos, então que façamos direito e bem feito! O uso de agrotóxicos e qualquer tipo de fertilizante químico não faz parte da nossa rotina, optamos mesmo pelo plantio e consumo de alimentos orgânicos. Isso é lindo e música para os ouvidos de muita gente, mas é também um caminhão de dificuldades que se carrega nas costas, árremaria! Confesso que há um tempo atrás quase desistimos e chutamos o pau da nossa barraquinha natureba, mas a gente é osso duro de roer, balança mas não cai, enverga mas não quebra. A coisa é meio que aquela história do capetinha pendurado na orelha esquerda e o anjinho na direita, um te jogando na cara os problemas e outro te soprando os benefícios. Mas a gente gosta mesmo é de ouvir o coração e ele sempre fala (grita) mais alto por aqui. Então atrasamos todo o nosso plano de plantio para poder seguir nossa caminhada livre dos químicos, eca!

IMG_4724_2161

IMG_4723_2160

Aqui na região as famílias plantam de tudo um pouco. Os que produzem em grande escala usam agrotóxico, os menores só fertilizantes químicos, outros só pulverizam contra pragas, mas todo mundo tem um dedo, uma mão ou um braço no “veneno”. Mas isso é quase uma “tradição”, as formas de cuidar da terra vão passando de geração em geração e hoje é bem difícil quebrar essa corrente para mostrar algo diferente. Apesar de não acharmos o mais legal, respeitamos e vamos, como quem não quer nada, mostrando uma nova possibilidade aqui e outra ali. O que não se pode é fechar os olhos para esse tempo todo de mão na terra que eles têm, são todos meio que pequenos tutoriais ambulantes e eu uma metralhadora de perguntas atrás deles. Eles também respeitam nossa opção pelo orgânico, nos alertam sobre as dificuldades e são super curiosos com as novidades que trazemos da internet.

Mas o que eu queria dizer mesmo nesse tagarelar sem fim, é que pra plantar de acordo com os conceitos da permacultura, sem nenhuma interferência de produtos químicos, com todo o cuidado e respeito que a terra precisa é coisa pra macho, meu bem! A gente tem sofrido na pele (olha o drama!) as dificuldades dessa escolha e tem aprendido cada dia mais com todas elas. Na prática, o que torna tudo um pouco mais trabalhoso são coisas do tipo: temos que produzir nosso próprio adubo, isso implica em grandes e trabalhosas composteiras. É preciso adubar a terra quase de 15 em 15 dias, uma frequência diferente de quando se usa um fertilizante químico.  O combate às fédazunha das pragas que aparecem é feito com “rondas” diárias em planta por planta e com muito caldo de pimenta+alho+fumo+paciência+outras mandingas! E mais algumas coisinhas, mais alguns estudos e estudos e estudos (e eu tenho um marido que é ninja em estudar!). Isso porque a “receita” de uma produção natural existe, mas ela pode dar certo ou errado, exigir um ajuste ou outro dependendo do contexto chuva+sol+terra+vento+altitude+lua e daí vai.

IMG_4721_2158

IMG_4719_2156

Então, depois de chorar tanta pitanga, eu te digo que ainda assim vale muito a pena! Porque essa forma de cultivo é a que te coloca mais próximo do verdadeiro ciclo da natureza. É a maneira mais completa de enxergar todo o processo com as belezas e feiuras que ele tem.  Porque a natureza é tão sábia que te exige crescer junto com cada batata plantada, te ensina a ter paciência e persistência que você leva para além da horta de casa. E esse aprendizado tem sido muito enriquecedor, tem se mostrado um caminho cada vez mais longo e nos trazido a lucidez de que estamos apenas no começo dessa estrada.

E te digo mais, não tem coisa mais gostosa nessa vida verde do que aprender a respeitar a terra e vê-la retribuindo com frutos saudáveis. Não tem dinheiro nesse mundo que pague abrir e porta da cozinha e buscar seu almoço no quintal, sentir o gosto fresco e puro dos alimentos, perceber o corpo agradecendo por este bom trato. Então, mesmo que você não tenha espaço para uma super horta em casa, tente plantar alguma coisa que mais consome e se dê o prazer de viver essa experiência linda de plantar o próprio alimento. Agora, se achar que não leva jeito mesmo pra coisa e que isso é jagatá demais pro seu estilo de vida, ao menos dê preferência aos produtores e alimentos orgânicos que circulam por aí. Sua saúde, a natureza e nós agradecemos, porque tá mais que na hora da gente aprender a cuidar mais do que somos, temos e queremos ser!

Ah! E se alguém tiver alguma experiência legal para compartilhar sobre o assunto, a gente vai adorar, estamos doidinhos para aprender mais!

IMG_4720_2157

IMG_4725_2162