A (não) liberdade

Ser livre não é fácil, muito menos quando a gente descobre que isso não quer dizer morar no mato e andar descalço o dia inteiro. Desconstruir a liberdade é um processo intenso, forte e necessário, ainda mais pra uma aquariana de asas muito grandes. Descobrir que ninguém é livre sozinho é preciso, aceitar isso é … Continue lendo A (não) liberdade

A casinha do amô – Diário da Lud

Hoje abrimos aqui mais uma parte do nosso diário de bordo, um espaço para as pessoas que estiveram com a gente contarem um pouco de como viveram essa experiência dentro do projeto da casinha. É super importante pra gente (além de bonito por demais!) sentir como tudo isso bate no outro. A primeira parte desse capítulo … Continue lendo A casinha do amô – Diário da Lud

A vaquinha!

As coisas aqui andam a mil por hora, o coração na boca, o estômago pequeno pra tanta borboleta, um calor da porra, cabeça pipocando ideias verdes, trocentos desenhos espalhados por papéis casa afora e o peito transbordando felicidade, nossa casinha do amô tá chegando! As obras já começam esse mês e tô que não me aguento de … Continue lendo A vaquinha!

O amor livre

Sinto que esta é uma boa hora para falar sobre ele. A princípio, porque é o primeiro texto de 2015 e nada mais justo que ele venha enfeitado daquilo que desejamos ao mundo inteiro nesses 365 dias do novo ano. Depois, e principalmente, porque hoje consigo verbalizar com toda a minha verdade o que esse … Continue lendo O amor livre

A família

Uma das coisas que mais tenho pensado ultimamente é sobre regressar ao ninho. Depois de saírmos da Chapada, estamos passando um tempo em Minas, onde nascemos e fomos criados com asas, estas que nos levam e trazem de volta quando não sabemos o rumo certo a seguir. Um porto seguro sempre vai ser um porto … Continue lendo A família

O primeiro ano

Em julho de 2013 a gente abria essa gaveta de devaneios e derramava uma despedida. Estávamos quebrando uma barreira, pulando um muro, rompendo bordas, demolindo paredes e fronteiras também geográficas. Como no tempo de um suspiro profundo que circula pelos cantos do corpo antes de sair  do peito, um ano já se passou desde que … Continue lendo O primeiro ano

A rede

Esta gaveta de devaneios aqui é meu divã, é nela que entro toda vez que preciso entender alguma coisa que tá acontecendo na bolha verde e no meu peito. Sempre tive a sensação de que quando a gente "fala", consegue visualizar melhor o sentimento, como se a as palavras fossem o corpo do que perambula … Continue lendo A rede

O sumiço – II

  Sumimos, né? É que o mundo subiu no telhado por aqui, árremaria! A gente tá num momento de reorganizar as gavetas, tirar poeira, jogar água, colocar coisa nova no lugar das velhas, repensar, transformar. E esse momento tá pedindo um silêncio, uma calmaria no ninho, atenção redobrada pra tudo aqui dentro. Então peço desculpas … Continue lendo O sumiço – II

A mulher

O exercício de se desprender de certas coisas parece ser infindável por aqui. Quanto mais tempo ficamos, mais nossa percepção sobre algumas relações vai mudando e exigindo da gente uma faxina interna daquelas de suar a camisa. Estamos meio cobra trocando de pele, aumentando um gominho na ponta do chocalho, amadurecendo e ficando (ao menos … Continue lendo A mulher